Praias no Espírito Santo

Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses



A chegada em Santo Amaro foi no final do dia. Assim que eu pisei na Pousada Bellas Águas, o Sol já estava se despedindo e foi o tempo de dar aquela corridinha básica até a margem do rio para assistir um espetáculo inesquecível.



Ali, fiquei sentada na areia e hipnotizada pelo reflexo dos últimos raios solares nas águas do Rio Alegre.

Confesso que estava um pouco cansada também.. kkk.. então, foi ótimo para dar uma pausa e ficar na inércia total.



+ Ver preço de hospedagem na Pousada Bellas Águas.

Contato da Pousada Bellas Águas: (98) 3369-1176 / (98) 98873-1022



O que fazer em Santo Amaro?

Santo Amaro é um ponto estratégico para conhecer o melhor e maior pedaço do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, além disso, o lugar é muito mais tranquilo do que Barreirinhas e, à noite, todos se encontram na praça da igreja matriz para prosear, jantar e tomar sorvete de frutas típicas do nordeste.






Imperdível: experimentar os sorvetes da Casa do Picolé, que é um lugar simples, mas os donos são muito acolhedores. Sugiro que experimentem os dois sabores: bacuri e buriti.



Durante o dia, fazer os passeios para as piscinas naturais. Já falarei dos passeios e indicarei o contato logo em seguida.


Onde comer?


Para jantar, quase todas as pousadas oferecem refeição à noite e como, geralmente, não está incluso na diária, você fica livre para escolher onde jantar. As refeições são vendidas para hóspedes e transeuntes.

Há também dois restaurantes que têm preços mais em conta: o Sol de Amaro (na beira do rio) e o do Gordo (rua atrás da praça principal).

Se for no Sol de Amaro, aproveite para chegar mais cedo para assistir o pôr do sol, você não vai se arrepender. Dona Cida é a administradora do local e atende todos os seus clientes com muita atenção.






Para quem não liga para conforto e está buscando hospedagem em conta, a Dona Cida aluga quartos, com banheiro compartilhado.

Contato: (98) 3369-1282 ou (98) 8823-3709



Como visitar as piscinas naturais dos Lençóis Maranhenses?

Antes de mais nada, sempre é bom informar qual a melhor época para visitar o Parque Nacional: de Junho até Setembro, sendo que os meses de Julho e Agosto são considerados de alta temporada no local, devido as piscinas estarem cheias de água.

Eu fui em Setembro e encontrei algumas piscinas secando ou quase secas. Mas a formosura e beleza da dança do vento nas dunas e os raios solares brilhando e refletindo na areia continua a mesma.



Onde fechar os passeios?


As pousadas e alguns jipes particulares oferecem passeios, mas o preço mais em conta que encontrei foi com a Cooperativa de Santo Amaro.

Fiz uma pesquisa e me disseram que todos os motoristas e guias são credenciados, além de conhecerem bem os caminhos nas dunas. Sem contar que eles se preocupam com a satisfação do cliente (visitante) e caso houver algum descontentamento causado pela Cooperativa, o motorista pode ser até descredenciado.


Contato: (98) 98861-7358 (whatsapp)




Quanto tempo ficar em Santo Amaro?


Sugiro que fique, pelo menos, dois dias inteiros para aproveitar bem os passeios que são oferecidos pela Cooperativa.


Sugestão de passeios:


Dia 1: Betânia e Espigão (dia inteiro)

Esse passeio, pode ser realizado todo de jipe, ou parte dele, de jipe e parte, andando pelas dunas. No meu caso, eu fiz parte de jipe e parte andando pelas dunas e achei que valeu muito a pena. Mas antes de decidir o que fazer, precisa analisar a sua condição física e se pode ficar tanto tempo exposto ao sol.

O carro da Cooperativa te pega na pousada onde está hospedado(a) e circula Santo Amaro até pegar o último contratante do dia. Como fui já fora da alta estação, não havia tantos contratantes assim.. kkk.. ao todos éramos 3: eu e um casal de amigos que amei conhecê-los.



Para chegar no Parque Nacional, o jipe circula pelas dunas que ficam fora do parque e atravessa um rio também. Não há a mínima condição de realizar esse passeio com um carro que não seja 4x4. Até para atravessar o rio, precisa ter experiência para passar no caminho mais raso e não deixar o carro afundar.





Chegando ao Rio Grande, descemos do jipe e iniciamos a nossa caminhada a pé. Logo ali, já dava para tomar banho de rio, mas o grupo decidiu se banhar após a travessia nas dunas. 




O Sol estava escaldante e as paredes de algumas dunas são bem íngremes. Para nós 3, foi uma diversão do início ao fim, conversamos bastante e tiramos muitas fotos.






Pelo caminho, nós observamos algumas piscinas temporárias secas, que só ficam cheias na alta temporada mesmo. O que achei curioso foi que mesmo a água permanecendo nas dunas menores por pouco tempo, ela proporciona o crescimento de algas e plantas no fundo. 





Após a travessia, nos banhamos em um braço pequeno do rio Alegre para refrescar. Não esqueça de mergulhar a cabeça, pois ela fica bem quente, mesmo com o boné.





Para você entender o que seria o calor, imagina o seu corpo recebendo 2x a radiação solar? A direta, por cima, e a indireta, a que areia reflete.

O almoço foi no restaurante Cantinho da Felicidade, que pelo visto, deve ser o único no local. Assim que sentamos, outros jipes chegaram e de uma hora para outra, o restaurante ficou cheio. O pedido da comida é feito antes mesmo de iniciar o passeio. O guia já passa todos os pedidos pro restaurante para que ele possa estar preparado para servir o almoço para todo mundo.






A comida é bem caseira, sem nenhuma sofisticação, mas bem saborosa. O lugar é simples, as mesas ficam em uma varanda grande e aberta, que ventila bem. Há também um chuveiro para refrescar e redes para tirar um cochilo.

Só os que terminam o almoço cedo conseguem pegar as redes, porque não há um número suficiente para todos os que almoçam por ali.



Na volta, pegamos o jipe e paramos em um duna pouco conhecida: Duna Nova. Talvez o nome seja porque são aquelas piscinas temporárias e tivemos a sorte de pegá-la ainda com bastante água.





Pronto, para mim, já valeu todo o passeio. Ficamos literalmente morgando e boiando nas águas da Duna Nova e só quem conseguiu nos tirar de lá foi o sol.. kkk.. já estava quase indo embora e fizemos um deslocamento para uma duna perto da duna da Gaivota, fechando o passeio com chave de ouro.



Tem gente tão profissional que leva até cadeira de praia para aguardar o espetáculo. Nisso, eu posso garantir: é praticamente inviável sentar na duna.. kkkk... só se você quiser engolir alguns quilos de areia. Venta bastante e fica muita areia fina suspensa no ar.


Dia 2: Lagoa da Andorinha e Gaivota (1/2 dia)


A lagoa da Andorinha é uma das poucas lagoas que permaneceram cheias quando estive lá, em Setembro 2016. Na verdade, ela é quase uma lagoa perene e é o point do lugar. As famílias locais e vizinhos passam o dia na lagoa.

Os jipes ficam estacionados há uns 5 minutos da lagoa e você chega até ela a pé mesmo, bem rapidinho.





É uma das maiores em extensão, devido a isso, a profundidade não é tão grande. O ponto mais fundo dela bate na cintura de um adulto, a água não é cristalina como as menores (temporárias) devido uma maior concentração de plantas no fundo.


No início, fiquei muito na dúvida se valeria a pena ir até ela, por ser a mais conhecida da região, mas não me arrependi. A vibe no lugar é bem bacana, sem contar que em volta dela há um conjunto de pequenas piscinas.







No final do dia, com o pôr do sol já se destacando no horizonte, pegamos o jipe para assisti-lo na duna da Gaivota, que estava completamente seca. A piscina da Gaivota é bem conhecida nacionalmente onde foi rodado o filme Casa de Areia.





Cuidados importantes:

  • Levar dinheiro, porque a maioria dos pagamentos são feitos em dinheiro. Não há caixa eletrônico!
  • Ligar para marcar o passeio: na alta temporada, para garantir lugar no jipe, e na baixa, pode não ter pessoas suficientes para montar um grupo.
  • Levar repelente, protetor solar, roupas leves, boné e óculos escuros.
  • Se quiser, levar blusa com proteção solar.
  • Proteger a máquina profissional com capa, devido aos ventos e areia fina que poderá prejudicar a lente.












Booking.com






2 comentários:

  1. Que paraíso! Um dos lugares mais bonitos do Brasil. Seu post está ótimo! Dicas valiosas. Parabéns!

    Keul Fortes
    www.turistandonomundo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oie, que bom que gostou! Obrigada! :-)

    ResponderExcluir

Obrigada por sua mensagem!