Praias no Espírito Santo

Associação das Paneleiras de Goiabeiras


Visitar Vitória e não conhecer a Associação das Paneleiras de Goiabeiras é como ir a Salvador e não visitar o Pelourinho.

A Associação das Paneleiras faz parte de um marco histórico na região capixaba, onde se mantém, até hoje, a tradição na produção das panelas de barro para cozinhar diversas gostosuras da culinária capixaba, inclusive a famosa moqueca capixaba.


Fica localizada a dez minutos de carro do aeroporto de Vitória Eurico de Aguiar Salles, sendo uma ótima opção visitar o lugar após a saída do aeroporto ou no dia de retorno para ele. Foi assim que fiz, já que a minha hospedagem estava reservada em Vila Velha.


Peguei um uber até lá, que foi baratinho, levando a tira colo a minha mala. Quando cheguei, deixei a mala encostada num canto, fora da passagem, e fui conversar com as mulheres ali presentes, que vendem as panelas de barro.

GOOGLE MAPS
A tradição das panelas de barro na região vem da época dos índios, que produziam com um barro especial, que hoje é retirado no município de Joana Darc.

O espaço é um enorme balcão com várias divisões e cada uma, pertence a uma família onde suas mulheres nascem e crescem com a sabedoria e responsabilidade de cultivar, produzir e perpetuar as famosas e históricas panelas de barro.


Fui recebida muito bem. A Jacilene Corrêa Fernandes me explicou como é feito todo o processo da panela de barro:


1- o fornecedor do barro trás a matéria prima de Joana Darc e vende às paneleiras;

2- quando o material chega, é depositado no fundo do galpão, local onde é feito a retirada das impurezas do barro;


3- os rapazes limpam o barro para que ele fique ideal para manusear e produzir as panelas;


4- o barro é distribuído para as mulheres, onde fica armazenado dentro de um embrulho de plástico, para não endurecer;


5- as mulheres fazem bolas do tamanho ideal para transformar em uma panela e, manualmente, elaboram o formato, diâmetro e altura da panela;

6- após a modelagem da panela, ela fica descansando, para secar naturalmente;


7- depois, tira-se o excesso do barro com um pedaço de zinco e põe para descansar novamente até secar totalmente;


8- para finalizar o formato da panela, passa-se uma pedra de rio lisa, deixando toda a superfície lisa;

9- após isso, a panela vai para o fogo. É feita uma fogueira a céu aberto e nela, coloca-se toda a produção do dia. Cada unidade fica na fogueira pelo tempo médio de dez minutos e após sua retirada, coloca-se para resfriar.



10- última etapa é selar a panela com “tanina”, substância extraída da casca da árvore do mangue.


Está prontinha a panela para vender. Os turistas e curiosos vão até o galpão para conhecer as técnicas indígenas e ver de pertinho como é feita a produção, mas o grande número de vendas da Associação das Paneleiras de Goiabeiras é devido às encomendas das lojas e restaurantes da região.


Aproveitei para comprar algumas panelas de tamanhos diversos. Se for a sua intenção também, na hora da compra, peça que embalem as panelas para viagem. A dica de levar a panela para casa é: levá-la na mala de mão ou protegê-la na mala de porão com muitas roupas, colocando os sapatos nos cantos da mala, fazendo uma proteção extra.


O melhor de tudo isso: além de você visitar um lugar tipicamente cultural da região, ainda está incentivando que a técnica continue de geração a geração e patrocinando que essas famílias ganhem a vida com dignidade.






18 comentários:

  1. Gente, que bacana! Não conhecia o processo de fabricação de uma panela dessas e adorei saber! Obrigada por compartilhar conosco.
    Essas panelas fazem comidas sensacionais, adoro a minha!

    ResponderExcluir
  2. A panela de barro é um patrimônio capixaba!!! E melhor ainda é o que você faz dentro dela... ;)

    ResponderExcluir
  3. Hahahah chocada com esse lugar!! Não sabia que existia! Muito legal ver assim de pertinho né?? Adorei!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Que legal! Só falta comer comidas preparadas na panela de barro no final! Hehehe não sabia desse passeio em Vitoria! Boa dica!

    ResponderExcluir
  5. Que bacana como é feito essas panelas, não tinha nem ideia de como eram feitas, tudo manualmente e elas fazem com muito carinho, muito legal seu post parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Que interessante! Nunca tinha ouvido falar nessa associação, mas já salvei aqui para quando eu visitar Vitória.

    ResponderExcluir
  7. Que legal... olha só, comida feita em panela de barro fica uma delícia.. Moqueca de camarao entao kkkkk. Valeu pelo post

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia a produção dessas panelas, achei muito legal! São lindas, resultam em receitas deliciosas com uma mesa naturalmente decorada .... Adorei saber desse lugar!

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante. Tenho certeza que foi uma experiência enriquecedora. Eu particularmente adoro comida feita em panela de barro, se for uma refeição no campo, sítio, fazenda então! ai fica tudo perfeito. Beijos

    ResponderExcluir
  10. Que massa essa sua visita, Dani! Eu sempre acho que comida feita em panela de barro é mais gostosa, tem um saborzinho diferente! Bjss

    ResponderExcluir
  11. Parabéns Dani pelo post! Essa atividade é muito legal e acho que incentivar isso faz parte do trabalho. Eu não conhecia e adorei saber como isso funciona. Com certeza colocarei no roteiro quando for visita Vitória.

    ResponderExcluir
  12. Amei o post, Dani! Para mim, um dos melhores momentos em uma viagem é adentrar na cultura, nos marcos históricos e não ficar só superficialmente admirando a cidade.

    Obviamente, seu post está salvo aqui nos favoritos para quando eu tiver oportunidade de voltar no ES.

    Super beijo!

    ResponderExcluir
  13. Ótima reportagem sobre a produção dessas panelas belíssimas... se pararmos para pensar, tudo tem um motivo, uma história. Adorei conhecer a história dessas panelas no Espírito Santo.

    ResponderExcluir
  14. Amei a sua matéria sobre a história das panelas de barro... Um ótimo passeio quando eu for a Vitória. Muito bom saber a origem das coisas.

    ResponderExcluir
  15. Que trabalho bacana destas mulheres né!? Se o Brasil valorizasse mais estas coisas talvez o país fosse muito melhor. Ótimo artigo e dica de passeio!

    ResponderExcluir
  16. dani eu não fui na fábrica mas agora que vi todo processo produtivo achei bem mais interessante....
    porém preciso te contar que tenho uma que trouxe que me rende comidas maravilhosas inclusive a um mês fiz um frutos-do-mar em uma com lagosta, camarões, lulas e mexilhões e ficou divinamente deliciosa devido a essa panelinha é claro!!!
    dica: se vai a espírito santo compre uma panela dessa por favor!!! kkkk

    ResponderExcluir
  17. Achei o post incrível. Tive que ir correndo mostrar pra minha mãe. Capixaba como é ficou toda feliz... Adorei ficar mais por dentro da Cultura do lugar que minha mãe nasceu. Bjks Thais

    ResponderExcluir
  18. Que legal saber um pouco mais da história, não sabia que as panelas de eram produzidas por índios no passado. Muito bom o post..

    ResponderExcluir

Obrigada por sua mensagem!